Busca Por Hidrômetros Aumenta Em 60% E Significa Economia De Até 40% O Dia M² Ao Sobrado Paulistano

O artista plástico paulistano Paulo Climachauska admirou-se com o projeto e presenteou a família Carvalho com uma tela que retrata o imóvel. A obra fica exposta na sala. As esquadrias (Coelho Metal) e o brise, todos de alumínio, definem a fachada dos fundos. Mosaico português reveste o piso da área externa.

Advertisement

O pilar apoia a suporte do quarto de casal, situado no andar superior. Projetos De DECORAÇÃO Para Cozinha Com Pastilhas cilíndrico não obstrui a sala, e a localização deslocada do canto permite a abertura total do vão. O concreto aparente (executado com capricho na Pentágono Engenharia) comparece no living e em quota do espaço externo.

Na confecção das paredes e da laje, utilizaram-se maneiras de madeira com réguas de 8 cm. A entrada divide a moradia: para a direita, está toda a fração de serviços e, à esquerda, os ambientes sociais. A escada, revestida de cumaru, manteve-se no mesmo ambiente. Em contraste com as paredes frias, o chão de toda a casa, inclusive dos quartos, recebeu réguas de cumaru de dez cm de largura. O corredor lateral era passagem de automóveis, que seguiam pra garagem, nos fundos. Hoje, o paisagismo aproveita tua largura.

Os portões de aço pintado foram montados na Coelho metal. Perto ao muro, o bambu exige poucos cuidados, opção prática para quem não desfruta de bastante tempo para conceder atenção ao jardim. A laje de concreto forma o beiral, que protege as esquadrias de alumínio. A sala de jantar ocupa cota do espaço em que ficava a área de estar pela planta original.

  • Sala com Rack e Televisão
  • Flavio Anthony says
  • Arara de canos PVC
  • cinco Dicas de Decoração de Escritório
  • Tijolos: na cor palha (22,cinco x 10,5 x 5,cinco cm*). Olaria São Pedro, R$ 5 1000
  • IMG_2616_19_20_fused-Edit.JPG.2048x1566_q90 zoom_out_map

O recinto não tinha abertura para o corredor lateral - só uma janela. “Amamos viver nesse lugar e usamos cada centímetro da moradia. Fazemos festas e recebemos várias visitas de amigos”, diz a proprietária. As esquadrias do estar se abrem para o jardim, e os dois ambientes viram um só. Sendo assim, quem está sentado no sofá consegue perceber a brisa e o aroma das plantas no conforto de uma área protegida, quase uma extenso varanda. “É a nossa divisão preferida da casa”, admite a psicóloga Mônica Carvalho. Ela e o marido, o médico Álvaro, procuraram por volta de um ano um lar que contemplasse plenamente a personalidade da família, composta bem como de dois filhos, Helena e Otávio.

Advertisement

O apartamento em que moravam ficou apertado no momento em que as criancinhas chegaram à adolescência, e o grupo precisava de mais espaço pra atender à vida social dos adolescentes. Afinal de contas, o casal elegeu este sobrado da década de 50, carente de uma intervenção drástica. “Enxergamos naquela construção antiga um potencial de mudança, principalmente Áreas De Lazer trecho ao ar livre”, conta Álvaro. Foi, desse jeito, que ele e Mônica convidaram Sergio Kipnis - arquiteto e colega de ambos - para comandar a reforma. O maior estímulo, segundo ele, consistiu em alavancar a inversão da estrutura original do imóvel.

“Trouxemos a área social para o fundo, com o propósito de desfrutar melhor a fração externa, e colocamos toda a ala de serviços na frente”, revela Sergio. O projeto adicionou trinta m² à planta pra ampliar os quartos (no caminhar superior) e as salas (no térreo). O prolongamento foi demarcado pelo concreto aparente. “Um utensílio sem cobertura, deixado ao natural, era o mais apropriado”, conclui. O resultado da obra, que durou um ano e 5 meses, deu à família precisamente o que ela buscava.

Share This Story

Get our newsletter